Análide Inside Loud #6: Mr. Bungle – Mr. Bungle

Bandas que não possuem um grande apelo comercial, ou que buscam sempre se arriscar e inovar musicalmente, acabam, muitas vezes, sendo deixadas de lado pelo grande público.

Algumas, sequer conseguem um reconhecimento mediano a ponto de se manterem ativas. Outras, conseguem reunir uma considerável legião de fãs e seguidores, tornando-se uma espécie de banda cult.

Mr. Bungle se encaixa entre essas duas categorias. Não sendo uma banda largamente cultuada mundo afora, mas também não sendo completamente deixada de lado durante sua carreira, o grupo, formado por jovens rapazes com seus menos de 18 anos de idade, em 1985, é considerado, por alguns, um dos maiores expoentes do Avant-garde Norte-americano. Além disso, a banda é conhecida por ter dado a largada na carreira de alguns dos músicos mais talentosos das duas últimas décadas, como Mike Patton (Faith No MoreFantômasTomahawk e outros), Trey Spruance (Secret Chiefs 3Faith No More e outros) e Trevor Dunn (FantômasJohn ZornSecret Chiefs 3 e outros).

Mas não estou aqui para falar sobre a formação da banda e, sim, sobre o primeiro álbum de estúdio, lançado em 1991 e intitulado, simplesmente, Mr. Bungle.

Após uma série de demos lançadas nos anos 80, o primeiro álbum apresentou o que já se esperava da banda: muito experimentalismo, descompromisso com qualquer gênero ou “dogma musical” e músicas complexas e ecléticas, que flertam com MetalFunk e todos os elementos que fazem com que o som do grupo soe pesado, obscuro, empolgante e divertido, tudo ao mesmo tempo e na medida exata. Isso, o Mr. Bungle faz como poucos.

Não se iluda pelo fato do álbum ter sido lançado pela Warner Bros. O álbum não foi, nem de longe, um sucesso comercial e, musicalmente, é digno das produções mais independentes do Avante-garde.

O que esperar da banda, acho que todos sabem. Mas será que é possivel algo de qualidade de toda essa mistura? Tentarei, aqui, transmitir em palavras o que sai desse álbum. Confiram!

Continuar lendo

Anúncios